tentante

A inter(chata)net

(Violinos no fundo,música saudosista)

Quando eu comecei a ler blogs maternos lá pelos idos de 2009,achava super legal ler os relatos de parto,as experiências das mães,os dilemas, as confusões. Ria e me emocionava.

Aí chegou minha vez, comecei meu bloguinho,pra dividir cas colega tudo minhas aflições pré maternidade. Sonhava em escrever meu relato de parto e emocionar outras pessoas,como emocionava a mim mesma com os blogs alheios.Conheci gente muito legal, inteligente e engraçada.

Aí,do nada, eis que surge a “monetização” da internet. E aí, todo mundo de repente deu pra virar especialista em maternidade,em faz/não faz,em pode/não pode. E assim,não é aquela coisa bonitinha de ok, você faz diferente e eu entendo, aceito e fico na minha. A galera surta geral e parte pras cabeças….cibernéticas.

E eu dei uma broxada mega de escrever por isso.De repente você TEM que ser uma mãe apegada. TEM que amamentar forever.TEM que ter parto natural.TEM que ter roupas descoladas pra cria.TEM que ter sling. TEM que fazer BLW. NÃO pode dar suco. TEM que seguir um manual.

Esse TEM QUE me irrita.Acho chato. Acho que o legal de um círculo materno cibernético, é exatamente essa troca de informações, essa  cumplicidade,esse”se ajudar”, tão raro nas relações sociais de hoje em dia.

Outra coisa que vejo muito é: várias pessoas se culpando porque de repente não se dão bem com o BLW,por exemplo e “Oh MEu Deus! segundo o filósofo do site X, meu filho não vai aprender a mastigar, a se desenvolver e nunca na vida dele vai comer.” Gente,menos né? Outra coisa que me irrita: “Pra ter um parto natural,basta querer.Não tem dinheiro? Ah, vende o carro”. Aqui,o tema é complexo demais, renderia um post sobre isso, mas olha vou falar resumidamente: E quem não tem nem um carro pra vender?Não merece um atendimento de respeito? E quem não PODE vender o carro?  Não merece atenção por parir de uma forma menos ~elitizada~?

Eu aprendi que existe uma coisa bonitinha, chamada acolhimento. E isso significa você “abraçar” a pessoa ou a situação, num momento de dificuldade. E isso significa que não importa se você deu mamadeira,pariu na água, na banqueta, na cama, por cesárea. Não importa se amamentou, se deu chupeta, se deu papinha,se deu suquinho. Não importa se você cria com apego,com amor,com sling,com carrinho,com o raio que o parta.

Uma coisa que leio sempre é o tal do “mais amor,por favor” e engraçadamente quem escreve isso são as pessoas que mais julgam.Que julgam famosas que não puderam ou não quiseram amamentar, que julgam parto da Sandy. Que escrevem milhares de textos sobre os “não pode, não deve” da maternidade.

Eu cansei de ver em grupos maternos,mãe sofrendo de verdade porque não estão conseguindo se encaixar nesse combo padrão de selo”melhor mãe do mundo” e sabe? Achei isso triste demais!

Procurar a internet para informação,para ajudar,eu acho SUPER válido,de verdade, mas tem situaçõesque não se encaixam para todos e devemos aceitar isso. Me ajudou demais,foi assim que descobri que parir não seria tão fácil e digo que a internet foi vital na minha “formação”,como mãe, mas acho que seguir estritamente as dicas e recomendações é meio insano.

Veja no meu caso,por exemplo: o Thomas ODEIA ficar com mãos sujas.Tipo, odeia mesmo.Eu tentei fazer BLW com ele.Ele engasgava,eu ficava desesperada e achava que ele não comia o suficiente e se irritava com os pedaços de bananana mão. Ou seja, pra mim estava sendo horrível,porque eu não confiava e ficava nervosa. E para ele uma tortura porque ele odeia ficar sujinho. Resumindo,ele comia as papinhas todas peneiradas.  “OOOOOHHHHHHH,Meu Deus!! ” rs Hoje,ele come,mastiga e tá tudo certo. Ele adora andar no colo,então, o Sling é amigo.Mas as vezes as costas doem e eu boto ele no carrinho.“OOOOHHHH, não ama o filho, não criou vínculo”. Ah, mas tudo bem,porque eu não amamentei ele exclusivamente,por isso não temos vínculo nenhum, de acordo com todos.

Gente. Apenas parem o julgamento. Julgar faz mal pra quem julga,porque se torna prepotente e para quem é julgado, porque se sente inferior.

Vamos nos ajudar. O mundo já está merda demais para sermos julgadas naquilo que somos melhores: mães.

thomas

Aqui,o meu apegadinho cheiroso, cheio de amor,tirando uma soneca no colo,enquanto a Amy esquentava meus pés.

 

Anúncios

17 comentários em “A inter(chata)net

  1. Eu era desse time de blogueiras sem ambição, que só queriam compartilhar experiências! TB brochei com a monetização dos blogues…as vezes ainda sinto falta de um canal pra desabafar!
    Enfim….VC esqueceu de citar as fraldas ecologicamente corretas! Pq eu sou a escória da sociedade que usa fraldas descartáveis no filho! RS! Um beijo!

    Curtir

  2. Oi. Sempre leio seu blog e outros vários de mamães blogueiras e concordo em gênero, número e grau com esse post. Tô tão cansada de ler essas coisas que até desapeguei de alguns blogs das “rainhas da razão”. #apoiada…Abçs

    Curtir

  3. Ainda sobre o post passado, da creche, adorei seu relato, gui fez dois anos dia 04 de novembro e quero coloca-lo em janeiro na creche, e seus contras e pros me deixaram atenda, como a agua rsrs, e principalmente a professor ficar toda hora mandando foto, acho legal, acalma nosso coração, mas desnecessario toda hora todo dia né?
    Afinal, a 20/ 30/ anos atrás não existia o zapzap =PPP
    E sobre as palpiteiras de plantão eu graças a Deus conforme a maternidade vai passando eu vou lendo as coisas, ouvindo , e deixando entrar por um ouvido e sair pelo outro. Pelo nosso bem, pois isso estressa, estressa vc querer expor sua opinião e as pessoas entenderem da pior forma, estressa não ser igual as mães perfeitas, estressa, estressa. Hoje em dia, muita coisa mudou, errei em muitas coisas mas acertei em varias outras. E sei que é só o começo da jornada de mamãe =P
    Quero que saiba que sempre leio seus posts guria mas nunca dá tempo de sentar e comentar =(
    Te acho uma guerreira, espontânea, engraçada e sincera. continue assim.
    Beijos

    Curtir

  4. Mandou bem Carol. É preciso confiar na intuição, saber o que é melhor, que combina melhor com a dinâmica da nossa família sim. Eu passei um tempo sofrendo por não ter largado o trabalho e ficado em casa. Agora presta bem atenção: EU NÃO TENHO ESSA OPÇÃO. A renda é a maior da casa, então não vai acontecer. E eu dei mole, me vi levada pela enxurrada, achando que o meu modelo não era legal. Até que me toquei. Mas penso nas mães que não se tocam, que ficam triste por mais tempo, como voce citou no texto. Mais amor por favor né? Bjo no Thomas !

    Curtir

  5. Isso é uma merda mesmo, e o pior é que não é só na internet, TODO O MUNDO acha que pode criar seu filho melhor que você, e quando você fica de saco cheio e manda pra o raio que o parta, quem é mal educada? Pois é. Pois bem. F&%$# se.

    Curtir

  6. Vc sempre me inspirou e já te disse isso! ❤
    Também tenho preguiça das mães de comercial!
    Faço tudo o que faço, pois encaixa na nossa dinâmica familiar. Mas não tenho quarto montessoriano (nem pretendo), nem woodbike, nem escola waldorf, nem mais um monte de coisa! E oh, tô bem feliz.
    A única coisa que está realmente me incomodando é uma gringa tentando roubar meu genro! 😛

    Beijos!

    Curtir

  7. Ai, esquece estas regras cibernéticas e volta praqui, pelo bem de quem ainda é meio “normalzinho”. Tá tão difícil ouvir opinião deste tipo.
    Acho que o que me deixa mais impaciente com estas regrices todas é que eu mesma achava que tinha que ser daquele jeito que está escrito. Aquilo tudo. Até virar mãe de verdade e perceber como cada criança tem suas particularidades e o barato mesmo é cada mãe desenvolver seu jeitinho pessoal de lidar com a cria.

    Curtir

  8. Não sou mãe mas como é real e triste esse fato .Cada um sabe o que é melhor para seu filho.E na real o que é certo pra vc pode não ser pra mim e vice e versa.Respeito e bom e todos gostam.jos CArol amo suas escritas .

    Curtir

  9. Olha, sabes, perdeu o encanto.
    Mas monotiza tbm.
    Nossa, as mães que mais gostam desses modelos são as que são ricas para afotá-los ou as pobres que aforariam serem ricas para copiar.
    Cada mãe com sua realidade, devemos ser a melhor mãe que pudermos, ler, entender e escolher.
    Eu até comentei em um blog onde a mãe descrevia ter sangrado duas vezes por tentar além da capacidade de seu próprio corpo por ordenhar o leite que eu até me alegrava quando uma das mais acirradas mães modelos dava com a cara na porta da realidade dela mesma!
    Parabenizei a mãe por haver caído na real e ter reconhecido que o corpo dela sangrava por não dar conta da produção de encher os vidrinhos de leite que ela tanto desejava.
    Mas pronto, monetização tbm, vá ao YouTube, é sucesso no Brasil ser mãe brasileira vivendo fora e em uma realidade que muitas sonham para si!
    Amei ver Wisconsin no dia da doação dos móveis e pensei…
    Poxa, daria um vlog muito do massa.
    Vloga para nossa alegria, e monotiza sim, mas não de imediato, deixa juntar gente que o retorno é melhor!
    Vc mora nos EUA e tem tantos relatos bons, leva o parasita querido para o YouTube!
    Vai bombar, de certeza!
    Xero!

    Curtir

  10. Oi… Acho que nunca comentei aqui. Tenho uma filha de 11 anos (numa época que eu não tinha acesso a net) e um de 1 ano. Ano passado quando engravidei queria me atualizar e fui seguindo um monte de blog… e olha, de lá prá cá so sigo uns 6… e o seu entre eles. Justamente por ser um dos poucos que conta sobre o dia a dia, sobre descobertas… Enfim, não é um manual do que tem ser feito. Então não pare de escrever viu.
    Eu concordo com tudo que você disse. Meus dois partos foram naturais pelo SUS em SP. Mas se eu comento isso num blog já sou meio apedrejada. Porque não basta ter parto normal e sem intervenções… tem que ser parto domiciliar! Tem que contratar fotógrafo! Enfim, duas coisas que eu jamais cogitei pra um parto.
    Mas continue sim escrevendo viu… é bom saber que outras mães também “não se enquadram” em todas essas regras que você citou.
    Bjs

    Curtir

  11. Ai concordo! Muitas coisas que faço deixo até de comentar por causa dos julgamentos. Somos mães reais e falhamos ponto final! E cada mãe conhece seu filho sabe do que ele gosta, o que pode ou não pode. Ninguém vive sua rotina e pode julgá-la.

    Mas por favor continue postando, kkkk. Preciso de mães reais na internet!

    Mil bjus!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s