quiz · tentante · vovó

18/30 – Foi duro

O desafio de hoje era contar qual foi a experiência mais difícil pela qual eu passei.

Obviamente já passei por várias situações complicadas, mas sem dúvida, a doença e morte da minha avó materna foi a mais difícil situação.

Ela sempre foi saudável, comia tudo certinho até por conta de seu colesterol e pressão altos. Quase nunca comia ovo frito (que ela adorava) e sempre me oferecia um suco quando eu pedia coca…. Aí um dia ela sentiu uma dor no lado esquerdo. Na hora pensou em pedra na vesícula, já que a prima havia acabado de tirar uma e a mãe também tinha tido. Foi ao médico, acharam a tal pedra. Ela ficou de retornar com os exames pré-operatórios. Aí surgiu uma flebite – uma inflamação das veias das pernas dela. Ela achou estranho, mas preferiu esperar que aquele mês – julho 2004 – com feriados longos passasse logo para ela ir ao médico. Foi ao Hospital São Luiz e fizeram um ultrassom. Pera, cadê a pedra da vesícula? Sabemos que isso não some assim tão fácil e a tal flebite irritando e incapacitando minha avó de ir às suas aulas de ginástica.

O tempo foi passando, os médicos sempre dando aquelas desculpas estranhas e os exames acusando cada vez mais coisas estranhas e ninguém falava nada. E ela, ia definhando.

Os exames sendo feitos, biópsias, ressonâncias, tomografias, sangue e mais sangue. Até que pediram um exame de marcador tumoral. E, se o limite era 100, o da minha avó havia dado 1.000.000. O choque se instalou e eu, que sempre fui MUITO apegada a ela, me senti sem chão, sem rumo, sem vó.

O tempo foi passando e a cada dia era uma novidade triste a mais. As suspeitas eram de câncer. Essa palavra sempre me assombrou e eu sempre tive medo do que estava acontecendo – que minha avó morresse jovem.

Exames e mais exames. Ela deitando na cama, emagrecendo, fazendo piadas. Contrataram uma enfermeira 24hs para cuidar dela e eu ia todos os dias na sua casa que neste momento, havia deixado de ser a casa da vovó, para se tornar um ambiente frio, escuro e vazio. Ela sempre conversando comigo, dizendo que achava o máximo que o Ricky e eu fôssemos tão parecidos fisicamente e dizia ainda que nossos filhos seria “loirinhos, loirinhos”.

Até que dia 31/10/2004 eu a visitei. Seus olhos arregalados, pedindo água – efeito da morfina. Eu vi minha avó, mas não a encontrei dentro daquele corpo magrinho. Eu sabia que era a última vez que a viria. E chorei.

No dia 01/01/2004 – a 21 dias do meu aniversário, ela se foi. Na mesma casa que antes abrigava minhas férias, meus nhoques e minhas bolachinhas. Na mesma casa onde ela dormia no sofá. O vazio tomou conta de mim e se haviam contratado um psicólogo para os filhos dela, esqueceram-se de mim, que de todos os netos, era a mais apegada.

Chorei inconsolavelmente, por saber que meu maior pavor havia se tornado realidade – ela não me veria casando. Tendo filhos. Tendo emprego. Ao menos me viu entrar na USP e conheceu o Ricky.

Me senti desolada, abandonada, sozinha e órfã. Ela era mais que avó.

Não fui ao seu velório, não quis vê-la morta. Eu já havia visto que sua essência havia ido embora, não precisava ver o corpo sem vida. Meu tio, quis abrir o caixão durante a cerimônia de cremação. Minha mãe vendo meu estado deplorável, pediu que não abrissem.

Há 8 anos eu não escuto sua voz, mas ainda sinto seu cheiro. Cheiro de vó, que passa por mim às vezes e ela me visita em sonhos. Ao menos uma vez por mês eu sonho com ela. Em sua fase mais linda  e mais importante – câncer free.

Tenho certeza que nos encontramos. Eu sinto ela perto de mim às vezes e isso me conforta.

Minha tia ainda mora na casa dela e mesmo depois deste tempo todo a casa ainda parece que vai recebê-la.

O que ela teve? Câncer de pâncreas. Ironias do destino, uma mulher que viveu nas regras das comidas e bem estar falecer de uma doença cuja incidência é maior em negros, homens e fumantes. Como dizem, coisas da vida. Em 3 meses ela deixou de ser minha avó para virar uma estrela.

vovo

 

Anúncios

4 comentários em “18/30 – Foi duro

  1. A morte não é algo fácil de lidar, imagina quando é alguém tão querido por nós, não é mesmo? E câncer é uma doença mto triste, eu imagino o quando deve ter sido complicado, mas o com certeza sua vózinha está ao seu lado sempre e agora deve sorrir por saber que mesmo com o tempo o carinho continua presente. Bjo!

    Curtir

  2. Carol, eu li teu post ontem rapidinho (enquanto marido tá no banho, eu dou uma visitada rápida nas amigas). E adivinhe? Sonhei com a minha avó. Ela morreu quando eu tinha 19 e tb foi a pior experiência que eu já vivi. Foi ela que me criou. Ainda lembro dela com tudo. Sonho sempre também. É uma pena que ela não me viu formada, nem casada. Pelo menos me viu começar a trabalhar. Acho que por isso, essa noite, no sonho, eu perguntei se ela queria um bisneto e ela respondeu que não. Tadinha. Ela achava que eu ainda tinha 19 anos e estava solteira. Rsrsrs Daí eu contei que ela já tinha alguns bisnetos e como tava a minha vida e ela ficou cheia de orgulho.
    Ahhhh!!! Tô chorando, que puxa!!!! Vou parar q daqui a pouco marido vem. Rsrs
    Saudades! Beijo!

    Curtir

Deixe uma resposta para Nana (A louca do bebê) Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s